Porto Business School distinguida com título honorário da Ordem de Mérito pelo Presidente da República

Formulário de pesquisa

Porto Business School distinguida com título honorário da Ordem de Mérito pelo Presidente da República

Porto Business School distinguida com título honorário da Ordem de Mérito pelo Presidente da República

Marcelo Rebelo de Sousa reconheceu a Porto Business School, onde foi docente de MBA, como pioneira nacional na ligação entre universidades e empresas, e salienta que este mérito “mais do que escolar e empresarial, é um mérito social”.

A Porto Business School encerrou as comemorações do seu trigésimo aniversário, no passado dia 25 de novembro, com o anúncio inesperado, do Presidente da República, de que a escola de negócios da Universidade do Porto seria distinguida com o título honorário da Ordem do Mérito.

 

Para o Presidente da República, a Porto Business School assume um papel diferenciador “na ligação entre escola e empresa e a sua projeção na vida social”, salientando a sua expectativa de que a atribuição deste título honorário da Ordem do Mérito possa abrir caminho “para outros reconhecimentos honoríficos, respeitando a história de outras escolas”. O anúncio, feito inesperadamente durante o discurso de encerramento do jantar comemorativo do trigésimo aniversário da Escola de Negócios da Universidade do Porto – já distinguida internacionalmente por meios de referência como o Financial Times –, ressalvou o exemplo de sucesso e o potencial de futuro da Escola, que nunca havia sido “reconhecido pelo Estado português” até à data.

 

O chefe de Estado recordou ainda que “a Escola de negócios foi pioneira, em 1988, numa altura em que não tinha sido feita ainda a revisão constitucional de 1989, que veio abrir a reprivatização da economia em setores-chave, e percebeu a necessidade da ligação entre universidade e empresas, criando um MBA altamente qualificado para um mundo empresarial, e cujo rumo depois foi seguido por muitas universidades e escolas portuguesas”.

 

Numa perspetiva económica, o Presidente da República destacou também o papel da Escola na preparação de “quadros fundamentais para a nossa economia, projetando-a no mundo”, acrescentando que este mérito, “mais do que escolar e empresarial, é um mérito social que deveria ser reconhecido”.

 

Ramon O’Callaghan, atual Dean da Porto Business School, reagiu à distinção, afirmando o seu “profundo orgulho pelo percurso de três décadas da Porto Business School, bem como por todos aqueles que já passaram pela escola, desde os seus parceiros, alunos, antigos alunos, staff e docentes – de entre os quais se destaca o próprio Presidente da República portuguesa, que já fez parte do corpo docente do nosso MBA”.

 

Além de expressar a sua gratidão ao trabalho desenvolvido pelos antigos Diretores da Escola, nomeadamente a Rui Guimarães e Daniel Bessa, presentes na cerimónia, Ramon O’Callaghan recordou ainda a importância de Belmiro de Azevedo na concretização do projeto do “novo campus”, ao qual chegou “há 4 anos, com o objetivo de desenvolver a Escola, aumentar o seu crescimento e aumentar a sua reputação internacional”.

 

Para Ramon O'Callaghan, a determinação da Porto Business School em continuar a fazer a mudança acontecer é um pressuposto adquirido, assegurando que o futuro da Escola passa por continuar a trabalhar para ser uma rede de suporte para que indivíduos e organizações desenvolvam competências que lhes permitam estar preparados para o futuro (e a incerteza do mesmo), e aumentar as oportunidades e as mais-valias no estabelecimento de relações de parceria com instituições internacionais de referência.

 

Reconhecida como uma Escola pensada pelas empresas para as empresas, a Porto Business School foi criada, em 1988, pela mão de um conjunto de empresas e instituições de referência que se uniram à Universidade do Porto para lançar este projeto. 30 anos depois, a Porto Business School é uma referência no universo das escolas de negócio, sendo acreditada internacionalmente e considerada uma das melhores em formação para executivos, a nível mundial, pelo Financial Times.